Você sabia que a Doença Celíaca - desordem sistêmica auto imune, desencadeada pela ingestão de glúten é predominante nas mulheres? A doença celíaca é caracterizada pela inflamação crônica da mucosa do intestino delgado. Essa inflamação pode resultar numa má absorção intestinal com outras consequências clínicas que podem ser amenizadas com o correto tratamento que inclui uma alimentação sem glúten, ou seja, que não contenham trigo, aveia, centeio, cevada e malte ou os seus derivados (farinha de trigo, pão, farinha de rosca, macarrão, bolachas, biscoitos, bolos e outros). Em contrapartida, os seguintes alimentos, podem ser consumidos livremente: Arroz, milho, arroz, milho, fubá, féculas, óleos, margarinas, frutas: todas, leite, manteiga, queijos e derivados, folhas, cenoura, tomate, vagem, feijão, soja, grão de bico, ervilha, lentilha, cará, inhame, batata, mandioca, aves, suínos, bovinos, caprinos, miúdos, peixes, frutos do mar. Já os sintomas, podem variar de pessoa pra pessoa. Os principais, costumam ser:

 Diarreia crônica (que dura mais do que 30 dias)
 Prisão de ventre;
 Anemia;
 Falta de apetite;
 Vômitos;
 Emagrecimento / obesidade;
 Atraso no crescimento;
 Humor alterado: irritabilidade ou desânimo;
 Distensão abdominal (barriga inchada);
 Dor abdominal;
 Aftas de repetição;
 Osteoporose/osteopenia.

 

Quando não tratada, a doença celíaca pode levar à morte. Na dúvida, procure por um especialista.